Internet das coisas: conceito, exemplos e aplicações na indústria 4.0

Você com certeza já ouviu os termos IoT, Internet of Things ou, sua tradução para o português, Internet das Coisas.

Embora este nome seja bastante sugestivo, é comum que a maioria das pessoas ainda não saiba exatamente o que significa, o quanto isso está presente no seu dia a dia e, principalmente, o quanto esta tecnologia vem mudando o modo como interagimos com o mundo.

Para começar, saiba que, desde 2017, existem mais objetos conectados à internet do que pessoas no mundo. E olha que nós somos mais de sete bilhões!

Para o ano de 2021, o instituto Gartner previu 25 bilhões de dispositivos conectados de Internet das Coisas. Esta revolução tecnológica está se desenvolvendo a passos tão largos que, de acordo com o Juniper Research, este número deve dobrar até 2022, chegando a mais de 50 bilhões de dispositivos estarão  .

Cada vez mais teremos acesso a eletrodomésticos, meios de transporte, roupas, calçados até mesmo maçanetas conectadas à Internet e a outros dispositivos, como computadores e smartphones. Isso sem falar nas cidades inteligentes com soluções baseadas em Internet das Coisas.

É nítida a tendência de que o mundo físico e o digital se tornem um só, por meio de dispositivos que se comuniquem com outros dispositivos, com plataformas, data centers e suas nuvens.

Pensando nisso, criamos este artigo onde você vai aprender:

  • ·       O que é Internet das Coisas
  • ·       Como funciona a Internet das Coisas
  • ·       Exemplos da utilização de Internet das Coisas no dia a dia
  • ·       Os benefícios da IoT
  • ·       IoT e a Indústria 4.0
  • ·       Internet das coisas e segurança de dados

  • ·        Internet das coisas nas empresas

Também não esqueça de conferir em nosso site as soluções em IoT da TNS.

 

O que é Internet das Coisas

O termo Internet das Coisas surgiu em 1999, quando o então membro da equipe de pesquisa e desenvolvimento da Procter & Gamble, Kevin Ashton, buscava um nome para a apresentação em power point por meio da qual tentaria convencer a empresa a colocar etiquetas de identificação de radiofrequência e outros sensores em produtos para que gerassem dados sobre localização, status e venda.

Ele conta que precisava de um nome que funcionasse e, como sua apresentação falava sobre a cadeia de suprimentos ser uma 'Rede de Coisas', e a Internet ser uma 'Rede de Bits', e sobre como a tecnologia de sensores iria unir os dois, criou o nome 'Internet das Coisas'.

Demorou um pouco até chegarmos ao ponto em que estamos hoje, mas, como vimos anteriormente, esta é uma revolução que veio para mudar completamente a forma como nos relacionamos com o mundo.

Explicando de forma bem simples, IoT é a sigla para Internet of Things ou, em português, Internet das Coisas.

Isso nada mais é do que a forma como os objetos físicos estão conectados à internet, que permite que eles se comuniquem entre si e com um usuário destes objetos, por meio de sensores e softwares que transmitem dados para uma rede.

Quando utilizamos o termo “coisa” pode parecer algo muito genérico e gerar algumas dúvidas. Afinal de contas, de que “coisas” estamos falando? A resposta correta é: qualquer coisa!

Isso mesmo. Quando falamos desta tecnologia, as possibilidades são incontáveis. Desde um relógio ou uma geladeira, até carros, máquinas, computadores, smartphones e ambientes inteiros podem ser controlados com a Internet das coisas.

Quando estes utensílios conversam entre si, isso nos permite ter mais controle, conforto, produtividade, dados e funcionalidades em geral.

 

Como funciona a Internet das Coisas

Como você já aprendeu na leitura até aqui, a Internet das Coisas consiste em objetos comuns que podem se conectar à rede mundial de computadores.

Para se conectarem e se comunicarem, os dispositivos habilitados para a Web utilizam a nuvem, conectando-se pela Internet via Wi-Fi, SIM Card (3G ou 4G) ou Bluetooth.

Normalmente isso acontece por meio da inclusão de sensores especiais em dispositivos comuns, como:

  • relógios,
  •     TVs,
  •     geladeiras,
  •     máquinas de lavar,
  •     sistemas de aquecimento,
  •      tornozeleiras eletrônicas,
  •      câmeras de monitoramento e praticamente, qualquer outra coisa.

Alguns dispositivos podem fazer a comunicação por meio de sensores que coletam dados e devolvem informações sobre eles. Outros podem receber informações e executar uma ação, como é o caso, por exemplo, das fechaduras inteligentes, que recebem um sinal que indica que você quer que elas abram e executem esta ação.

No caso dos dispositivos domésticos, a maioria deles utiliza um roteador para se conectar a uma casa inteligente, o que permite ativar comandos por voz ou pelo smartphone para controlar muitas funções de uma casa.

Em breve o 5G será uma realidade no Brasil e trará ainda mais possibilidades para a utilização da Inteligência Artificial e IoT, como carros que não precisam de um motorista e cirurgias realizadas de forma totalmente remota.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre a diferença entre M2M (machine to machine – ou máquina a máquina, em português) e IoT. Se você é uma delas, não deixe de conferir o artigo Você sabe qual a diferença entre M2M e IoT?

 

Exemplos de utilização de Internet das Coisas no dia a dia

Para entender como a Internet das Coisas já faz parte do seu dia a dia, basta olhar à sua volta.

Provavelmente você está lendo este artigo de um computador ou de um tablet. Acreditamos que, bem pertinho, esteja o seu smartphone. Certamente você tem uma TV em casa, talvez também um sistema de som, uma cafeteira ou até uma fechadura inteligente.

Viu só como esta tecnologia já está à nossa volta? Com a Iot, coisas simples do cotidiano se tornam inteligentes e têm suas funcionalidades potencializadas por meio da transmissão de dados. E, à medida em que a tecnologia avança, ela vai se tornando mais e mais importante.

A utilização da Internet das Coisas pode abranger as mais diversas áreas, desde a utilização de objetos mais simples no dia a dia, como eletrodomésticos e equipamentos eletrônicos.

Também passa por wearables, como relógios, pulseiras, colares, sapatos e roupas, e pode ser utilizada em outras atividades, como na área de saúde, mobilidade urbana, indicações sobre o número de vagas disponíveis em um estacionamento, na recomendação de atividades, lembretes e até mesmo no agronegócio.

Aproveite para conhecer este case da TNS com a Serttel Soluções em Mobilidade e Segurança Urbana

 

Os benefícios da IoT

Muito além das novidades tecnológicas e da sensação de estar vivendo em um filme de ficção científica com o uso de objetos inteligentes, a Internet das Coisas traz benefícios como conforto, segurança e economia.

A conveniência de poder ligar ou desligar automaticamente um termostato inteligente para reduzir o consumo de energia, coletar dados sobre seus hábitos e entender quais alterações você pode fazer para economizar tempo, aumentar a eficiência da sua rotina ou reduzir custos são alguns exemplos.

Somando-se a isso, a IoT também pode ser aplicada à área de segurança, com uso de fechaduras inteligentes e alarmes que podem tornar casas e empresas locais muito mais seguros.

Outro benefício importante existe em relação à saúde. A telemedicina, popularizada por causa da pandemia é um exemplo. Já pensou em poder fazer uma cirurgia mesmo quando seu médico está do outro lado do mundo?

Em breve, a tecnologia da Internet das Coisas será aplicada em maior escala, com cidades inteligentes conectadas por meio do 5G, o que trará uma melhor funcionalidade e segurança para o cotidiano das pessoas.

 

IoT e a Indústria 4.0

O termo Indústria 4.0 é utilizado para denominar o uso das mais modernas tecnologias, como big data, internet das coisas e inteligência artificial para a produção de bens de consumo.

Falando de forma bem simples, nada mais é do que o aperfeiçoamento contínuo das máquinas, um processo que começou na primeira Revolução Industrial e nunca mais parou.

A quarta revolução industrial tem mudado muitos processos de fabricação ao promover melhorias na automatização das linhas de produção, montagem e distribuição que potencializam a produtividade, diminuindo custos e reduzindo, cada vez mais, a necessidade de interferência humana.

De acordo com dados da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a indústria brasileira deve ter uma redução de custos na ordem de R$ 73 bilhões por ano, devido à adoção de soluções de IoT e M2M integradas a tecnologias de machine learning e big data.

A adoção de conceitos da Indústria 4.0 na matriz produtiva brasileira dá à indústria a possibilidade de descentralizar processos produtivos, reduzindo ao máximo possíveis paradas nas linhas de produção, seja por permitir a gestão ideal de insumos, seja por antecipar manutenções.

A indústria 4.0 envolve o aumento da informatização, com máquinas e equipamentos totalmente conectados à internet, o que permite o gerenciamento em tempo real e até mesmo remoto.

Outro grande benefício do uso destas tecnologias é a redução dos impactos ambientais, já que a otimização dos processos industriais pode levar a uma redução das emissões de CO2, além de possibilitar o monitoramento, de forma pontual, de cada parte do processo produtivo, resultando em uma produção mais sustentável, controlada e com custos reduzidos.

 

Internet das coisas e segurança de dados

Na mesma medida em que a Internet das Coisas otimiza processos e agiliza operações, uma das maiores preocupações sobre a ampliação do seu uso é em relação à segurança e privacidade dos dados.

Isso acontece porque a grande maioria dos dispositivos tem sistemas operacionais próprios e/ou desatualizados, que trazem poucos ou nenhum recurso de segurança, o que abre portas de vulnerabilidade na segurança cibernética e coloca em risco dados pessoais e empresariais.

Esta insegurança na comunicação entre dispositivos muitas vezes acontece devido à utilização de protocolos antigos, que possuem falhas de segurança conhecidas.  

Poucos deles oferecem medidas protetivas simples, como criptografia ou senhas codificadas, portanto, a transmissão de dados entre dispositivos também é apontada como uma vulnerabilidade neste sentido.

De forma isolada, existe o risco de um dispositivo IoT ter informações e dados pessoais roubados, o que pode trazer muita dor de cabeça ao seu usuário. Quando falamos em bilhões de objetos conectados entre si, a Internet das Coisas poderá aumentar os riscos envolvendo ameaças à segurança de empresas de todo o mundo ao expor informações críticas ou sensíveis.

Em 2013, um grande ataque de dispositivos IOT deixou diversos serviços fora do ar no mundo. Este foi considerado um dos maiores ataques cibernéticos da história até então.

 

Internet das coisas nas empresas

Por isso, ao se trabalhar com internet das coisas nas empresas, a escolha dos fornecedores de serviços ligados a este mercado deve ser criteriosa. Isso irá reduzir bastante os riscos de utilização desta tecnologia.

Imagine, por exemplo, que você tem uma câmera ligada 24h transmitindo vídeo em tempo real. Se esta câmera possuir um sistema muito antigo ou desatualizado, um hacker pode invadir e capturar todas as imagens sem que você sequer tome conhecimento.

Mas com o uso de uma APN privada e com firewall seguro, é possível reduzir o risco de acessos indevidos aos dispositivos e proteger a transmissão destes dados na internet.

Líder mundial em conectividade para meios de pagamento, a TNS tem 30 anos de experiência em comunicação de dados M2M e IoT nas mais diversas tecnologias de conectividade, com iniciativas pioneiras que facilitam a vida de empresas em praticamente todas as áreas de atuação.

As equipes da TNS monitoram as conexões em tempo integral, com redundância de data centers, sempre garantindo alta disponibilidade do serviço.

Com APN privada e VPN para criptografia dos dados, há um reforço na estabilidade das transmissões, ou seja: toda a comunicação que é transmitida entre a rede das operadoras de telecom e a rede da TNS é criptografada, o que garante maior segurança e confiança para o usuário final.

Além disso, caso o cliente tenha esta possibilidade e assim deseje, toda a comunicação que é transmitida entre a sua rede e a rede da TNS também pode ser criptografada, gerando o que é conhecido como criptografia de ponta-a-ponta (end-to-end encryption ou E2EE).

Este é um recurso de segurança que protege os dados durante uma troca de mensagens, de forma a que o conteúdo só possa ser acessado por quem envia e por quem recebe, aumentando o grau de segurança de dados.

Além de sempre trabalhar em parceria com as melhores operadoras do mercado brasileiro, os data centers da TNS também possuem Certificação PCI.

Isso significa que eles seguem uma série de normas de segurança, que são específicas do mercado de meios de pagamento, mas também reforçam o compromisso da empresa com a segurança para atuação em todos os mercados.

 

Resumindo: a Internet das Coisas já faz parte das nossas vidas e tende a fazer cada vez mais.

Muito em breve, será difícil comprar produtos que não estejam conectados à internet. Isso traz conforto e comodidade, mas também gera insegurança, já que a maioria dos dispositivos não oferecem medidas protetivas básicas.

Portanto, é importante se preparar para um mundo totalmente conectado e inteligente e optar por serviços que garantam segurança na gestão da transmissão dos dados que passam por estes dispositivos.

Caso você tenha interesse em saber mais sobre Internet das Coisas e os serviços de gestão segura da conectividade oferecidos pela TNS, converse com um de nossos consultores.

Deixe seu comentário, crítica ou sugestão


Ao acessar o nosso site, você concorda com o uso de cookies para analisar e produzir conteúdo e anúncios adaptados aos seus interesses. Leia nossa Política de Cookies.